Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 40 em Sab Jul 29 2017, 02:39
Últimos assuntos
» Material - PDF Economia de Mercado, Conceitos Fundamentais de Economia e vídeo
Qua Jun 05 2013, 17:25 por Ludimila Lima Campos

» Material para NP2
Seg Jun 03 2013, 13:06 por Davi Domiciano

» Lista de exercícios para NP2 - Revisão!
Ter Maio 28 2013, 17:47 por Adson Honori

» Revisão NP2 - Respostas - Adson
Ter Maio 28 2013, 16:54 por Adson Honori

» Material para a avaliação NP2
Seg Maio 27 2013, 13:40 por Davi Domiciano

» Material sobre David Hume
Sab Maio 25 2013, 13:28 por ANA FLAVIA

» Dramatização : Psicologia : Alienação Parental
Qua Maio 22 2013, 22:57 por Adson Honori

» Resumo: Marx
Qua Maio 15 2013, 14:41 por Adson Honori

» Resumo: Kant
Seg Maio 13 2013, 15:31 por Adson Honori

Janeiro 2019
SegTerQuaQuiSexSabDom
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário


Síntese do texto - Aristóteles: Justiça como Virtude

Ir em baixo

Síntese do texto - Aristóteles: Justiça como Virtude

Mensagem por Adson Honori em Qui Mar 14 2013, 13:52

Olá pessoal.
Aristóteles
Foi o último grande filósofo grego, mentor de Alexandre Magno e discípulo de Platão, é considerado por muitos um gênio, pois seus estudos são hoje a base do Direito e da nossa cultura sobre justiça. Diferentemente de Platão, acredita na justiça aplicada ao contexto do mundo real, portanto, deve-se ter a justiça pautada na ética e aplicável aos conflitos mundanos.
Justiça como Virtude
Para Aristóteles a justiça deve ser encarada como uma qualidade do homem, ou seja, algo que ele construísse e incorporasse à sua essência, por exemplo, a coragem era considerada uma característica do ser virtuoso, assim também deveria ser a justiça. Para se alcançar esta virtude o homem precisaria mais do que apenas saber discernir sobre justo ou injusto, dever-se-ia viver a ética através do comportamento prático, nas suas ações do dia a dia.
Acepções acerca do justo e do injusto: o justo total
Justo total é a observância da lei, no respeito àquilo que é legítimo e que existe pelo bem maior de todos. Caberia ao legislador, homem intelectual e extremamente conhecedor da cultura daquele povo, a criação destas leis de caráter genérico que garantiria o Bem Comum.
Acepções acerca do justo e do injusto: o justo particular
Dirige-se ao relacionamento entre as partes, pode-se considerar espécie do gênero justo total, poi quem comete um injusto particular não deixa de violar a lei (justo total).
Justo particular distributivo
Relacionamento entre público-privado, entre governante e governado, é conferir a cada um o seu, que reside o próprio ato de justiça particular distributiva. Igualdade de caráter proporcional. Equilíbrio garantido, pois aos iguais é devida a mesma quantidade de benefícios ou encargos.
Justo particular corretivo
Aplicável a todos os indivíduos em situações de relacionamento coordenado, ou seja, de iguais entre iguais. Diferente da distributiva que se vale da proporcionalidade, a corretiva é focada num critério exclusivamente objetivo do restabelecimento do equilíbrio rompido entre as partes. A justiça reparativa é a necessária medida de restituição das condições anteriores ao conflito.

Por hoje é só!

_________________
Att. Adson Honori
avatar
Adson Honori
Admin

Mensagens : 82
Data de inscrição : 27/02/2013
Idade : 41
Localização : Palmas TO

Ver perfil do usuário http://www.anjoazulto.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum