Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 40 em Sab Jul 29 2017, 02:39
Últimos assuntos
» Material - PDF Economia de Mercado, Conceitos Fundamentais de Economia e vídeo
Qua Jun 05 2013, 17:25 por Ludimila Lima Campos

» Material para NP2
Seg Jun 03 2013, 13:06 por Davi Domiciano

» Lista de exercícios para NP2 - Revisão!
Ter Maio 28 2013, 17:47 por Adson Honori

» Revisão NP2 - Respostas - Adson
Ter Maio 28 2013, 16:54 por Adson Honori

» Material para a avaliação NP2
Seg Maio 27 2013, 13:40 por Davi Domiciano

» Material sobre David Hume
Sab Maio 25 2013, 13:28 por ANA FLAVIA

» Dramatização : Psicologia : Alienação Parental
Qua Maio 22 2013, 22:57 por Adson Honori

» Resumo: Marx
Qua Maio 15 2013, 14:41 por Adson Honori

» Resumo: Kant
Seg Maio 13 2013, 15:31 por Adson Honori

Janeiro 2019
SegTerQuaQuiSexSabDom
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário


Síntese da discussão - aula dia 28-02-2013 - Psicologia Jurídica

Ir em baixo

Síntese da discussão - aula dia 28-02-2013 - Psicologia Jurídica

Mensagem por Adson Honori em Qui Fev 28 2013, 11:34

Olá pessoal,
No século XIX, a classe médica é inserida no contexto do judiciário mediante uma necessidade de explicar determinados crimes que destoavam do padrão até então conhecido: crimes passionais (motivados por forte emoção) e sócio-econômicos (cobiça pelo poder, apropriação de valores, vingança e etc), assim, os juízes da época se valem dos primeiros estudos feitos por esta classe médica na tentativa de se obter a justiça.
Vale lembrar, que estes primeiros estudos não tinham métodos muito bem elaborados, mas foi a quebra de um paradigma importante, pois nas decisões dos magistrados já cabiam estudos de outras áreas do conhecimento.
Entendemos como Psicologia Jurídica a conjunção das especificidades da psicologia que atuam em conjunto com as questões do direito, a mando e a favor da justiça.
Podemos dividir a Psicologia Jurídica, a saber:

1. Forense: criminal e judiciária.

1.1 Na criminal volta-se o olhar para o indivíduo que cometera a infração, suas motivações, personalidade, comportamento e qualquer coisa relacionada à pessoa, para somente depois, voltar os olhos para o crime em questão!

1.2 A judiciária são as práticas do psicologo no contexto do judiciário, ou seja, podemos exemplificar citando as intervenções feitas junto aos presos em penitenciarias, os acompanhamentos a um menor em audiências públicas, os laudos periciais e casos de abuso sexual infantil e etc. Aonde houver um conflito em que haja a necessidade da atuação do psicólogo, este estrá no pleno exercício da Psicologia Jurídica.

2. Àquelas que não são oriundas de um fórum, são tarefas menos complexas, exemplo, uma seleção para concurso público onde o psicólogo atue na verificação da aptidão mental, entretanto, fazem parte do universo jurídico, pois atestam a capacidade exigida no edital (norma que regulamenta o certame).

Finalizando, chegamos à conclusão de quão é importante e da enorme responsabilidade destes profissionais que dão apoio ao judiciário, são os psicólogos, assistentes sociais, antropólogos, médicos e etc interferindo na tomada de decisões dos magistrados, decisões que podem mudar radicalmente a vida das pessoas, e portanto, carecem de extrema habilidade e competência.

Um abraço, Adson Honori.
avatar
Adson Honori
Admin

Mensagens : 82
Data de inscrição : 27/02/2013
Idade : 41
Localização : Palmas TO

Ver perfil do usuário http://www.anjoazulto.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum